Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | A amiga: - Mas tens a certeza de que estás bem as... » | Culturgest e gestos de cultura » | Quem tem medo do lobo mau, lobo mau, lobo mau... » | Hoje é o aniversário de alguém muito especial. Nã... » | Descobri que sou ainda mais feliz sem aquilo que a... » | Girlstalk » | Votem lá no meu filhinho... » | Hoje é dia para » | Opções de vida » | Em pleno período depressivo este Blog tem o praze... »

As presidenciais

Cavaco Silva anunciou ontem a sua tão esperada candidatura à Presidência da República. Efectuou um discurso sereno, virado para o futuro, e esclarecendo aquilo que, à partida, era importante esclarecer - a sua visão do cargo que se propõe ocupar e o real alcance das funções que se propõe desempenhar. É importante que o tenha feito.
É também importante que tenha dito que não corre contra ninguén, já que, nos dias que correm, todos correm contra ele, Cavaco - excepto Manuel Alegre que quer ver vingada a humilhação inflingida por um amigo e pelo partido de uma vida inteira - mesmo que isso signifique uma absoluta incongruência com o passado de muitos.
E, por falar nisso, também ontem nasceu o blogue não oficial de apoio à candidatura de Mário Soares. Fugindo à óbvia e fácil piada da idade, diga-se que estes apoiantes fizeram um óptimo trabalho ilustrativo. Soares deixa de aparecer como um simpático e inofensivo velinho, e surge agora como um renovado canalizador numa ridícula vestimenta, que, se bem me lembro do jogo, pouco mais fazia para sobreviover do que saltar por cima de pachorrentas tartarugas (onde é que eu já vi isto???)...
Não podia, ainda, deixar de dizer, que não concordo com o meu amigo Pedro. Eu não quero um presidente que tenha, como parte dos seus atributos, o " sonho", a "poesia" e o "humanismo" que faltam a Cavaco... Eu quero-o assim, tal como sempre foi : "frio e mecânico".
Eu quero um homem capaz de, eficientemente, diagnosticar e vislumbrar soluções para os males do país.
Eu quero, e Portugal precisa, de crueza e eficiência.
Sonho, Poesia e Humanismo, eu encontro no Pomar, no Julião Sarmento, no Pessoa, na Sophia e nos meus amigos, todos eles portugueses de quem gosto muito, mas que eu não queria ver na Presidência da República...

Defendendo a poesia, o sonho e o humanismo não posso concordar contigo, eu também posso ser presidente de todos e vou prová-lo.
Muito bem!
Kasmir, Kashmir...já comunicámos melhor...devo concluir portanto que queres o protótipo do tecnocrata autoritário (tiranete?) para Presidente da República?...

A Poesia, o Sonho e o Humanismo devem comandar o Magistrado da Nação...já dizia António Gedeão "Eles não sabem nem sonham/que o sonho comanda a vida..."

Logo, resulta óbvio que Manuel Alegre será o candidato ideal
Enviar um comentário