Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Clonix anyone? » | Não é assim que são retratados os grandes amores d... » | Ainda estou a aplaudir, em especial, este senhor..... » | A minha melhor noite de Jazz dos últimos anos foi ... » | Frase que podia perfeitamente ser mentira mas não ... » | A entrar na trigésima hora de trabalho consecutiva... » | Vizinhos novos » | BBbbrrrrrrrrrrrrr » | (3) Há exactamente um ano, percebi como se sentiri... » | (2) E às vezes também somos um bocadinho assim »

(1) My Funny Valentine

Conheceram-se há muito tempo. Ela a muitos passos de ser o que era hoje, ele já muito próximo do pouco que tem para dar ao mundo.
Durante anos seguiram caminhos distintos, vigiando-se de longe, aproximando-se quando a vida os empurrava um para cima do outro. Não sabiam que fugiam, nem queriam sequer fazê-lo. Desconheciam a razão dessa necessidade, a existir...
Sem que se tivessem sequer dado conta disso, fizeram caminhos tão paralelos, que estiveram, no mais das vezes, ao alcance de um estender da mão. Nunca o fizeram, pelo menos não ao mesmo tempo.
Viveram outros amores, outras pessoas, muitas...Encontraram-se no fim de dois caminhos. Ambos magoados e cínicos, trocaram o mau que tinham guardado dentro de cada um. Foi sempre tão tudo cru e sincero que, aos olhos dos outros, pareceu cruel...
Em poucos momentos foram felizes juntos, encontraram-se mais vezes no pior da vida de cada um, ou de ambos. Ela esteve sempre lá, ele, da sua maneira torta, foi estando umas vezes, outras não.
Ele diz que ela o conhece, admite-lhe, a espaços, curtos, a entrada num mundo que o resto do mundo não conhece. Não é melhor nem pior que este, é apenas o dele.
Ele odeia a vida que leva, ela não acredita nisso. Acha só que ele tem preguiça de ser feliz.