Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Coisas que são verdade mas que nos esforçamos por ... » | Coisas que nunca pensei vir a fazer numa hora de a... » | Subsequências - Culturgest - 22 de Abril » | Subsequências - Culturgest - Sábado, 22 de Abril. » | Porque eu não consigo passar um dia sem os ouvir » | Reencontros » | Opinem por favor » | Os homens bons medem-se pela forma como tratam os ... » | Cair... Antes em tentação do que no ridículo. Viv... » | Portugal profundo ou igualdade de direitos »

Mel com Cicuta recomenda



Tenho muitos "amores" no Jazz (o Contrabaixo e o Piano são os maiores, e depois todos os brilhantes fazedores de notas...).

E alguns ódios também (o jazz frígido de Diana Krall, o cantarolar tépido e insosso de Jacinta..).

Enquanto tento compilar uma lista com os 20 melhores trabalhos de sempre, tarefa hercúlea, já que a lista, em constante mutação há mais de um ano, não tem passado de um projecto em eterna construção, deixo-vos aquele que é, para mim, um dos mehores trabalhos desta década.

Longe do sangue quente do Jazz latino-americano e do singular swing da vertente afro-americana, surge Brad Mehldau. Uma inexplicável simbiose entre o mais puro Jazz com alguns temas de Rock que o compositor e intérprete reinventa a cada momento. Vaja-se o extraordinário trabalho que tem feito com alguns temas dos Radiohead cujos originais, até agora, me tinham, inevitavelmente, passado ao lado.

Este Live in Tokio é um fiel depositário do imenso talento deste que é um dos melhores pianistas do jazz na actualidade.