Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Não perguntem porquê. E queiram, por favor, descon... » | Para que fique claro » | Perfil do investidor - Conservador [prospecto comp... » | Perfil do investidor - Agressivo [prospecto comple... » | A cada uma, a guilhotina que merece. E o esquecime... » | António e Mariana conheceram-se no lançamento de u... » | Breve história d'O Homem Que Se Rejeitou A Si Próp... » | Dizeres à porta de um prédio que deviam estar à po... » | Como eles: erraremos até estarmos certos. » | O sono dos cépticos (2) »

Era para não ser nada daquilo

Era para não ser nada daquilo, quando saíram de casa, numa Sexta-feira à noite, para o concerto de Dave Matthew’s Band que foi — pelo menos para uma delas— a personificação melodiosa do enfado.
Era para não ser nada daquilo, quando resolveram, para animar cada uma, ir jantar a um restaurante mediano e contribuir — em larguíssima medida— para as boas notícias que o CEO da Moet & Chandon tenha para dar aos seus accionistas, no fecho das contas do ano em curso; e, bem assim, conseguir jantar numa quase tasca a preços que rondam a dívida externa da polónia.
Era para não ser nada daquilo, quando entraram num bar sem grande graça e fizeram um memorável número vocal com um amigo que sabe sempre ser o mais correcto dos amigos, no melhor e mais adequado dos momentos.
Era para não ser nada daquilo quando, no Lux, e sempre acompanhadas da sua flut, transitavam do house progressivo para o revival do disco sound como se fossem uma e a mesma sonoridade e como se, nunca na vida, tivessem ouvido outras batidas.
Era para não ser nada daquilo, quando o sol nasceu, para mais um dia, e perceberam, todas, que enquanto fosse tudo aquilo, e estivessem lá, cada uma delas, nada poderia correr (realmente) mal.
Ainda bem que foi.