Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Breve história d'O Homem Que Se Rejeitou A Si Próp... » | Dizeres à porta de um prédio que deviam estar à po... » | Como eles: erraremos até estarmos certos. » | O sono dos cépticos (2) » | O sono dos cépticos » | Princípio do trato sucessivo » | Para colar na porta do frigorífico » | Classificados » | Caro diario » | Porque as mulheres percebem mais de futebol do que... »

António e Mariana conheceram-se no lançamento de um livro de um amigo comum. Cedo identificaram interesses comuns e se uniram numa longa conversa que terminou com um jantar nessa mesma noite. Namoraram durante alguns meses, partilhando leituras, concertos e discussões políticas que fluíam noite dentro. Ao fim de algum tempo, perceberam que, apesar das afinidades, nunca seriam felizes juntos. O namoro acabou, procedeu-se à devolução dos livros e cds deixados na casa do outro, das roupas esquecidas na máquina de lavar. Decididos a evitar reencontros forçados e desconfortáveis dividiram a cidade ao meio, negociaram a custódia de livrarias e restaurantes. Cada um deles teria direito às livrarias mais próximas das respectivas casas e local de trabalho e a Fnac do Chiado — a preferida de ambos — seria alvo de tutela repartida cabendo a Mariana o turno de dia e a António o pós laboral. Tinham regulado o poder sobre Lisboa e evitaram-se, com sucesso, durante pouco mais de seis meses.
Esbarraram um no outro, por acaso, numa livraria em Paris — lutavam pelo único exemplar disponível de um Stendhal, que ele, como um cavalheiro, lhe cedeu — reconheceram, naqueles minutos, os traços que, a início, os aproximaram. E seguiram, separados, depois de assegurarem — seguindo com os dedos os trajectos solitários planeados, no mapa de cada um, para os próximos dias — que não se tornariam a cruzar.

começo a fartar-me de dizer sempre a mesma coisa mas gosto cd x mais de te ler, que é que eu hei-de fazer... parabéns por mais um excelente mini-conto. Beijinhos
Obrigada, Isa.
Deliciei-me a ler este texto,mas também os anteriores.
Parabéns por uma escrita cativante.
Não podia haver um final feliz?
Enviar um comentário