Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Da conquista da inimputabilidade » | Um post bastante longo e que, ponderados os prós e... » | Plano de viagem (ou até já) » | O Blogue reclama, ditoso, a atenção de outros tem... » | Os baús estão arrumados, a secretária imaculada, ... » | Na Jukebox mental » | A conservative girl cannot walk in someone else’s ... » | A conservative girl cannot walk in someone else’s ... » | A conservative girl cannot walk in someone else’s ... » | E o caro leitor, é o quê? »

A jarra

“(...) Além disso, esta última parecia tão estúpida como bela. Embora recém-chegada, era habitualmente convidada para certos serões por causa dos seus faustosos vestidos e do penteado mais próprio para uma exibição. Convidavam-na como um adorno, à maneira de um quadro, de um vaso, de uma estátua e de um abafo que se pede aos amigos para uma reunião nocturna.(...)”

Fiódor Dostoiévski, O Idiota

Quem nunca se sentiu pelo menos uma vez assim? Um adorno, apenas um elemento decorativo?!
Gostei de descobrir este lugar!
Enviar um comentário