Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Enquanto os sinos não tocam » | Better half » | Ontem Bergman, hoje -- como lhe chama (e bem) o ... » | Do calor colonial » | Da essência do Mel - Obituário » | Banda sonora para viagens que se querem longas » | Earl Grey » | Guilty Pleasures » | Breve tratado sobre a opacidade » | Previsão do estado do tempo para hoje »

A realidade ultrapassa o blogue

Não raras vezes ouvi dizer que a realidade (a vida) ultrapassa a ficção. Até aqui, nada de surpreendente. É claro que ultrapassa a ficção. O melhor e mais inventivo criador (e só se for mesmo bom) não logrará ser mais do que um aprendiz do Argumentista que, algures lá em cima (ou noutro sítio, se o leitor preferir, para que não se sinta ferido em eventuais militâncias e susceptibilidades não-católicas) se vai servido de cada um de nós como peões para distrair as suas tardes que, ao que consigo imaginar, são como se fosse sempre Domingo.
O livre-arbítrio, essa bonita e colorida parcela do existir, é ínfimo perto da imensidão do que nos é posto diante dos olhos, sem que possamos, de facto, exercer poder de escolha, esse que alardeamos e tomamos nas mãos como às rédeas de um cavalo bravio e que não é mais do que uma cedência que o Argumentista nos faz enquanto nos olha complacentemente e nos vai movimentando num tabuleiro de boas e más decisões ou se levanta para ir ao frigorífico buscar um chá gelado.
Como quando éramos meninos e, no jardim, com o nariz quase colado ao chão, nos divertíamos a condicionar os percursos dos carreiros de formigas.

Em que estará a pensar o Argumetista quando visita a unidade de pediatria do Instituto Português de Oncologia? Diverte-se com o tabuleiro?
Caro Manuel,

Não posso deixar de notar que os seus comentárioos (mais e menos pertinentes) têm sido uma visita constante nesta casa. Agradeço-lhe a simpatia, mas peço, encarecidamente, que quanto tiver comentários primários como o que acaba de fazer, os guarde para si. Este tipo de pergunta insinua uma de duas coisas (1) a minha suposta insensibilidade e estupidez ou (2) a sua incapacidade de interpretar além do literal. Nenhuma das duas me parece uma opção simpática.
No mais, sinta-se em casa. Cumprimentos.
Laura, acredite que a minha pergunta insinua apenas a esperança - vã - na obtenção de uma resposta, da sua resposta. Mais nada. Obrigado pela hospitalidade.
http://www.ted.com/talks/view/id/112 "Não sei" também vale.
Enviar um comentário