Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Idiossincracias de Verão » | Podia ter acontecido. Tinha de acontecer. Acontece... » | Retrato de uma princesa desconhecida » | Diagnóstico: Tristeza física. » | O drama cervical » | Das arribadas forçadas - Código Comercial (ou não)... » | Igualdade ou nem por isso » | Lisboa amanheceu mais ou menos como eu: à espera d... » | De um telefonema de ontem à noite » | Duas boas razões para estar pela Itália »

(Um bocadinho menos de) 100 anos de solidão

É uma casa vazia de gente com muita mobília, feita de silêncios que são os ruídos dos outros. É um sótão com tralha que se trouxe das outras vidas, onde entramos, a espaços, pé ante pé, antecipando nervosamente as sombras que a solidez das formas projecta em contra-luz. É a banda sonora que escolhemos para cada momento, em detrimento da voz impositiva e pesada dos outros. É o eco de um sino de igreja que chama os fiéis a celebrações que não as nossas. É o chiar, a cada dez minutos, de um velho comboio nos carris de uma viagem que, desta vez, não seremos nós a fazer. É o ruído da festa do vizinho de cima, de idade indefinida, que celebra uma alegria que desconhecemos e não queremos partilhar. É um "não" que se disse, um "sim" que foi insuficiente, inábil, imperceptível. É a serenidade de uma porta fechada, de uma janela com estores corridos, de uma luz de intensidade reduzida. São armários com prateleiras e gavetas cheias. É chá para um. É, além de tudo isto, bater a porta do lado de fora para rumar à partilha do que se conseguir e quiser. E voltar em paz.