Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Diagnóstico: Tristeza física. » | O drama cervical » | Das arribadas forçadas - Código Comercial (ou não)... » | Igualdade ou nem por isso » | Lisboa amanheceu mais ou menos como eu: à espera d... » | De um telefonema de ontem à noite » | Duas boas razões para estar pela Itália » | a (dis)simulação e a reserva » | Ontem havia uma fuga de gás no nosso sítio do cost... » | Hoje 'tamos apelando prá todo mundo lá em cima né?... »

Retrato de uma princesa desconhecida

Porque, ultimamente, aqui e ali, se tem discutido a princesa que há dentro de cada mulher, lembrei-me de um poema de Sophia que ele, uma vez, por maldade, me leu.

Para que ela tivesse um pescoço tão fino
Para que os seus pulsos tivessem um quebrar de caule
Para que os seus olhos fossem tão frontais e limpos
Para que a sua espinha fosse tão direita
E ela usasse a cabeça tão erguida
Com uma tão simples claridade sobre a testa
Foram necessárias sucessivas gerações de escravos
De corpo dobrado e grossas mãos pacientes
Servindo sucessivas gerações de príncipes
Ainda um pouco toscos e grosseiros
Ávidos cruéis e fraudulentos

Foi um imenso desperdiçar de gente
Para que ela fosse aquela perfeição
Solitária exilada sem destino

Sophia de Mello Breyner Andresen