Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Fundo de investimento mobiliário - Perfil do inves... » | Na sequência deste post: (Carregar a banda sonora... » | Antes partir que dobrar » | Ouvido por aí » | Mel com cicuta viaja à pendura d' O Insecto » | Como é que é mesmo a tal expressão? "Encharcada ... » | Ser imune à agressão não é necessariamente uma coi... » | O teu tipo de homem é o homem fatal: Ou te mata de... » | Que o passado, de vez em quando, me bata à porta, ... » | Pessoas (colectivas) »

Requiem

Hoje, decorridos quase dois anos de absoluta e confiada partilha, o meu telemóvel abandonou-me. Decidiu que este mundo (o meu mundo) era demasiado cruel e injusto. E partiu. Cansou-se de tanta entrega profissional, conferência telefónica inusitada, conversa tardia emocional e emocionada, discussão desnecessária e afogueada. Disse basta a largos milhares de sms inócuos, comprometidos, simpáticos, deprimidos, angustiados, vãos ou vazios. Removeu aniversários, concertos, eventos. Apagou algumas pessoas da lista da minha existência.
Sei que durante os próximos dias terei a oportunidade de verificar e lamentar mais perdas sentidas (e de alegremente assobiar para o lado algumas outras).
Mas não posso deixar de partilhar o requinte selectivo: dos cerca de 150 sms que insistia em manter para memória futura sobraram menos de 30. Desses 30, 15 são da mesma proveniência. O Argumentista, de facto, não brinca. Mas diverte-se muito comigo.

Tenho o mesmo telemóvel há quase 7 anos...
Enviar um comentário