Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Música para ler » | Algumas pessoas e relações humanas são como aquela... » | Agradecimentos e gentilezas várias » | Diz que é uma espécie de ressurreição » | Na jukebox mental (nota explicativa) » | Na jukebox mental » | Para colar na porta do frigorífico (iii) » | Quem quer mesmo saber a verdade não pergunta, desc... » | Hoje o Conselho de Administração assegura apenas... » | Parece que hoje também é Dia Mundial do Sono. »

Teste aqui a sua misantropia

Adquira habitação própria. Faça dela uma casa de catálogo. Sem mais resquícios de cor ou humanidade do que algumas fotografias dispersas e lombadas de (muitos) livros. Acorde com a empregada doméstica um horário que permita o absoluto desencontro. Trabalhe de porta fechada num gabinete só seu. Caminhe, de manhã, para o escritório, e, ao fim do dia, para casa, na exclusiva companhia do I-pod. Encontre os amigos que escolheu. Volte para a casa. O seu silêncio, os seus discos, os seus livros e o comando da sua televisão sobre o qual é exercida a total ditadura do aquário (mute e figuras humanas só para permitir ilusão de movimento). De caminho, vá conhecendo crápulas, idiotas, gentinha, casanovas de bairro, e mulherocas bastante insípidas. Regresse aos seus livros, discos e cadeiras confortáveis. Escolha mobília que não lembra a mais ninguém. Resplandeça na (quase) total ausência de cor. Ainda acha que precisa de gente? Eu, só da minha, e da outra que não conseguir evitar.

Quando a única ideia que te passa pela memória de curto prazo, e de tantas vezes que passa, passa a ser a memória de longo prazo, é:

Nós vivemos, nós morremos... E a morte não acaba com isto.
Quando a única ideia que te passa pela memória de curto prazo, e de tantas vezes que passa, passa a ser a memória de longo prazo, é:

Nós vivemos, nós morremos... E a morte não acaba com isto.
Enviar um comentário