Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Coisas que melhoram algumas manhãs » | Porque as mulheres percebem mais de futebol do que... » | It takes one to know one » | A única coisa que me irrita nos meus amigos misógi... » | Stomping [To tread or trample heavily or violently... » | Malas feitas » | Nip/Tuck » | Frank Sinatra morreu em 14 de Maio de 1998. Mas de... » | Memo toself: comprar meias anti-derrapantes » | Para quem não acredita na salvação e precisa muito... »

Noite no Museu

Depois da cerejas ao almoço e do calor colonial que atravessou Lisboa durante toda a Sexta-feira, contava passar a noite num socialmente deprimente mas absolutamente necessário e merecido repouso que implicava o test drive de todas as cadeiras da casa e a exclusiva dedicação à coluna de livros que vem crescendo, em tom ameaçador, na mesa de cabeceira à direita da cama.
Às 22:00, recebo ordem de marcha de amigos que estavam já quase à porta de casa, com indicações expressas quanto a um dress code casual chic (o que, basicamente, significa usar o que se quiser desde que nos dê um ar cool e nos faça parecer ter menos 5 anos do que na verdade temos) que me apressei a respeitar.
O destino final era a festa nos jardins do Museu Nacional de Arte Antiga. Um dos sítios mais simpáticos para se almoçar em Lisboa (aquela esplanada) com vista sobre o Tejo como se de um majestoso navio encalhado de tratasse. Longe dos painéis de São Vicente, adormecidos numa das salas do maravilhoso edifício, cá fora ecoavam os Depeche Mode, The Gossip, The Strokes e Michael Jackson dos primeiros tempos.
Foi, no que me diz respeito, declarada a abertura oficial do Verão. Tenho de me lembrar de guardar aquele vestido vermelho e branco já que, ao longo da noite, todos os recém-conhecidos me perguntavam que curso é que eu estava a tirar. Estava gira, a festa.