Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Ao contrário do que possa parecer, este blogue não... » | Toda a gente mente (2) » | Metade do mundo anda entretida a descobrir, dissec... » | Manual para a caça de elefantes » | Sonnet XVIII: Shall I compare thee to a summer's d... » | Do pequeno caminho a percorrer da ironia até ao sa... » | Do pequeno caminho a percorrer da ironia até ao sa... » | My favorite things? » | Demência - uma abordagem prática » | Ou o recurso ao despeito como exercício de estilo »

Esta gente sabe coisas

Estava tão perturbado que não conseguia imaginar um castigo capaz de se equiparar à falta. Sentia a mente brumosa, a ira dissolvia as ideias, e isso aumentava a sua amargura, pois o senhor Frederico era um homem em quem a razão decidia sempre a conduta, e que desprezava a raça de primários que actuavam, como as bestas, por instinto e palpite em vez de por convicção. Mas desta vez, enquanto tirava a chave e, com dificuldade, porque a raiva lhe entorpecia os dedos, abria e empurrava a porta de casa, compreendeu que não podia agir serena, calculadamente, mas sim sobre os ditames da cólera, seguindo a inspiração do instante. Depois de fechar a porta, respirou fundo, procurando acalmar-se. Envergonhava-se que aqueles ingratos fossem reparar na magnitude da sua humilhação.

Mario Vargas Llosa, A tia Júlia e o Escrevedor