Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | Amiguismos (ide ver) » | Über Wahrheit und Lüge im außermoralischen Sinn, 1... » | O Mel feito pelos seus leitores » | Gostar de russos (Dostoievski, Turgueniev, Gógol, ... » | Mais uma ficha, mais uma volta. » | There is no modern romance » | E agora, caro leitor, depois de uma semana de mús... » | Também por ser Sexta-feira » | Então até Novembro » | Uma boa razão para estar vivo em 2007 »

A dupla negação

A Fernanda Câncio, diz que (i) gosta de me ler e (ii) que eu me amofinei com um senhor mais velho. Ora bem, (i) eu também gosto de ler a Fernanda, mas (ii) confesso que o senhor mais velho me divertiu mais do que me amofinou. Não se trata de negacionismo mais do que de conhecimento empírico da natureza humana (ou, neste caso concreto, da rapaziada). Aliás, coisa que a Fernanda bem deve saber, a primeira coisa que alguém faz quando conhece um amigo de outro blogger que lê (mas cuja compleição física desconhece) é perguntar “e como é que (x) é fisicamente?”. À parte disso, nada contra as provocações. A bem da verdade, a relação milenar entre homens e mulheres resume-se perfeitamente a uma gaiola de pavões. Andamos cá todos para mostrar as penas e para nos entretermos uns aos outros. Coisas que uns farão melhor, com mais sucesso, que outros farão de forma sofrível e que os menos hábeis morrerão a tentar fazer. No mais, se não formos amibas assexuadas, a provocação está-nos mais ou menos na pele em tudo o que fazemos desde estrear um vestido justo até escolher alho francês no frigorífico do Pingo Doce lá do bairro. Nós só não somos é definidos apenas por isso.
Ah, quase me esquecia: posso eu estar muito enganada, mas há poucas coisas mais sexys do que a negação. Para os homens, pelo menos. Parece que lhes aguça o espírito da caça. Mas isto digo eu, que sou uma (muito jovem) provocadora.
Adenda:Caro Tiago, nestas coisas, em concreto, os homens não são mais básicos do que as mulheres. Somos (todos, igual e imperfeitamente) humanos. Só falei de rapazes, porque era, em concreto, aquilo que se discutia (e o meu target, se preferir). Se, em condições normais, já não espero grande coisa da humanidade, ainda menos quando envolve uma mistura de alimentação de egos com gestão de hormonas.

Eu confesso que também na minha mente se levantou a dúvida sobre um eventual caso de negação.

Mas para quem tiver dúvidas já sabemos que nestas latitudes não há decotes ousados - só cicuta.

P.S.: Informação completamente inútil: tenho 29 anos.
Concorfo plenamente em que homens e mulheres são igualmente "pavões".
Embora lidando com o facto de uma maneira intlectualizada , não deixamos de estar sujeitos a pamixia.
PAMIXIA para todos homens e mulheres.
Enviar um comentário