Mel Com Cicuta 

Without the aid of prejudice and custom I should not be able to find my way across the room.

 

William Hazlitt  
      

   

« Home | To empathise » | Voucher [válido para duas pessoas] » | Esta gente sabe coisas (2) » | Esta gente sabe coisas » | Ao contrário do que possa parecer, este blogue não... » | Toda a gente mente (2) » | Metade do mundo anda entretida a descobrir, dissec... » | Manual para a caça de elefantes » | Sonnet XVIII: Shall I compare thee to a summer's d... » | Do pequeno caminho a percorrer da ironia até ao sa... »

Seguimos para bingo

A Filigrana deu o mote e eu, avessa a cadeias-de-santo-António, ter-me-ia furtado categoricamente não fosse gostar tanto do que ela escreve que às vezes quase me apetece bater-lhe. como se não bastasse, ainda me ultrapassou pela direita quando arranjou uma das suas 5 vítimas, que, por suas vez, me rapinou mais uma ou outra.
Assim sendo, antes que se animem todos e eu não tenha a quem passar isto, e porque livros são coisa séria e conjugal (sobre a qual falaremos detidamente mais adiante neste blogue), os cinco últimos a partilhar a cabeceira cá de casa foram:

Coração tão branco, Javier Marias
Madame Bovary, Gustave Flaubert
Franny e Zooey, J.D. Salinger
Contos de Tchékhov, volume III, Anton Tchékhov
Anna Karénina, Lev Tolstoi

[Estou, neste momento, quase a arrumar o Vargas Llosa (a tia Júlia e o escrevedor) e a deixar-me seduzir pelos olhares dengosos que o Thomas Pynchon (Gravity's Rainbow) me lança cada vez que passo perto da estante].

Passo a palavra ao Francisco Mendes da Silva, ao Paulo Pinto Mascarenhas, ao Lourenço A. Cordeiro, ao Tiago Machado da Graça e ao Ricardo Gross. It's up to you, boys.